quinta-feira, 27 de novembro de 2014

cozinhando com couve rábano

Couve rábano é o nome desse vegetal da família da couve, pouco comum por aqui, já que o seu plantio dá-se melhor em climas frios. No entanto, como temos uma pessoa que possui uma horta na família, quase toda semana ganhamos verduras fresquinhas e orgânicas, o que é uma sorte imensa, já que os orgânicos estão muito caros e os demais produtos são cada vez mais cheios de veneno...
Apesar de não ser nutricionista, posso dizer que fiz uma breve pesquisa e soube que esse vegetal possui pouquíssimas calorias e muitos benefícios.
Para saber os benefícios selecionei esse link AQUI.

Como saber o que vou fazer com isso?

Bom, pra começar, lavei e descasquei a couve rábano, sem descartar as folhas, que são deliciosas.
Juntei mais um pouco de couve manteiga que havia na geladeira, refoguei bastante alho com azeite e mandei a couve toda pra panela. Temperei com sal e fui acrescentando água aos pouquinhos pra cozer a parte branca, que é mais durinha. Quando estava macio ao espetar do garfo, deixei secar a água até tostar um pouco o refogado (aquela famosa "pegada" no fundo da panela).





E então, minha couve rábano refogada ficou assim:



Mas além disso, já cozinhei a couve rábano dentro do feijão e também ficou muito boa.

Essas são duas utilizações básicas, mas claro que, dependendo da criatividade, pode-se achar outras tantas. Já vi por aí gente que faz um prato indiano com ela, gente que faz uma entrada quase artística com a parte branquinha, gente que rala e põe na salada, enfim, cada um tem sua experiência. Aliás, enquanto escrevo este post, acaba de me ocorrer, que ela pode ser usada pra fazer um suco detox, já que possui antioxidantes e muita vitamina C!

Bom, espero que tenham gostado, enquanto comemos couves rábano, continuo à procura da bendita fruta pão...

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

um bom couvert vai muito bem!

Depois de um breve sumiço, algumas coisas boas pra contar! É que tiramos umas pequenas férias e andamos por aí comendo umas coisinhas gostosas aqui e ali. E isso é uma das coisas mais legais de uma viagem, porque a gente sempre volta com novas ideias, senão novos temperos e utensílios de cozinha na bagagem. 
Mas esse post é mesmo sobre os dois couvert mais gostosos que já comi. 

O primeiro deles é um palmito pupunha assado em palitinhos com ervas e azeite, muito simples e delicioso! Foi servido com um pãozinho caseiro ainda quentinho e muito macio (ótimo pra molhar no azeite, como boa filha de portugas!). O mais bacana é que esse pãozinho foi feito com fruta pão, disse a garçonete do restaurante Casa do Fogo em Parati-RJ. Eu não conhecia a fruta pão (e ainda não conheço pessoalmente) mas fui correndo no Google olhar, o nosso santo pai dos burros high-tech! hehehe
Ela é um fruto desses que dá em árvore e a gente nem imagina que é comestível. Só resta saber onde encontrar aqui em Sampa, se você souber, me conta. Estou louca pra fazer um pão com essa fruta, que é muito rica em proteínas.





O segundo couvert delicioso é do restaurante Rosa Madeira em Gonçalves-MG, onde estivemos em outra ocasião. Não sei precisar o nome que ele leva no cardápio da casa, mas lembro muito bem, era uma espécie de terrine feito com queijo de cabra, coberto com pesto de azedinha (hortaliça muito comum naquela região) e pãezinhos caseiros com castanha do pará (esses que aparecem no espetinho). Além disso, havia um outro queijo (requeijão mineiro) servido com um chutney de banana por cima. Nossa, isso era maravilhoso, eu comeria só o couvert, juro!  



Eu adoraria aprender a fazer uma terrine como essa e encontrar fruta pão aqui em Sampa pra começar a fazer minhas experiências. O que será mais fácil resolver primeiro? :)

molho de salada e pequena horta em vasos :)

O verão está chegando, saem as sopinhas e chegam com tudo as saladas. Para isso, gosto de fazer um molho refrescante e com muito sabor, que faz toda a diferença na hora de servir uma saladinha. E neste caso, minha salada foi muito especial, porque eu mesma plantei e colhi as alfaces e azedinha (folhas verde escuras).

Ingredientes do molho para duas pessoas:

- 3 colheres de sopa de iogurte natural 
- 1 colher de chá de mostarda (usei a Dijon)
- 1 pitada de gengibre fresco ralado (preferência aquele ralador que deixa lasquinhas muito pequeninas)
- 1 colher de chá de suco de limão
- sal e pimenta do reino a gosto

Misture muito bem todos os ingredientes, batendo com um pequeno fuê. Sirva sobre a salada.




E mesmo se você não tem um pedaço de terra, anime-se: é possível cultivar alfaces em vasos. Elas precisam de sol durante o dia e rega todas as noites. Estas alfaces mimosas foram plantadas com aquelas sementes em saquinhos que compramos em loja de ração de animais. Basta seguir as instruções do saquinho, não tem segredo. 


Bom, estas aqui já foram comidas, hora de plantar mais! ;)